Slackware Linux

Logo_SlackSlackware Linux é o nome de uma das mais antigas e conhecidas distribuições (sistema operacional e conjunto de aplicativos) do Linux; é a mais antiga distribuição que permanece mantida, além de ser, junto com suas derivadas, a distribuição Linux mais UNIX-like existente.

Criada em meados de 1993 e mantida por Patrick Volkerding, a Slackware (ou simplesmente “Slack”) tem como objetivo manter-se fiel aos padrões UNIX, rejeitando também ferramentas de configuração que escondam do usuário o real funcionamento do sistema. Além disso a Slackware é composta somente de aplicativos estáveis (e não de versões beta ou pré-releases). Nos anos 90, por um bom tempo outras distribuições Linux foram avaliadas com base em sua compatibilidade com o Slackware. Se no começo ainda trabalhava só, ao longo dos anos Patrick Volkerding acabou aceitando a ajuda de alguns colaboradores, muito poucos por sinal, a fim de o ajudarem no desenvolvimento da distribuição.

Por sua concepção UNIX-like, o Slackware e seus derivados fazem uma abordagem bastante differente das outras distribuições populares como Red Hat, Fedora, Debian, Gentoo, SuSE, e Mandriva. Sua política de incluir somente applicativos estáveis e nenhuma interface gráfica de configuração específica a apenas essa distribuição. Há quem diga: “Quando você conhece o Slackware, você conhece Linux; quando conhece Red Hat, tudo que você conhece é o Red Hat”…

Simplicidade e estabilidade são duas características marcantes nesta distribuição muito comum em servidores, distribuição que procura ser uma distribuição “leve”, sem enfeites e rápida, e que é muito apreciada por usuários mais experientes. Apesar de o termo “slack” ser uma gíria para preguiça em inglês, em “Slackware” o termo “slack” está relacionado à definição feita pela chamada Slack Church of the SubGenius (Igreja dos Sub-Gênios). De acordo com esta organização, “slack” significa ter “senso de liberdade, independência e originalidade para alcançar suas metas pessoais”. Dessa forma, o nome “Slackware” traduz bem a filosofia do sistema, que não possui ferramentas gráficas de configuração (apenas as do KDE, por exemplo) que fazem tudo pelo usuário, o que inibe o seu “slack”. Assim sendo, as configurações do sistema são feitas a partir da edição de documentos de texto, por isso sendo a preferida entre os usuários mais experientes.

Toda versão Slackware é estável. Também existe sempre uma versão current que intermedia entre aversão estável atual e a próxima, mas dessa jamais há imagens para download: os respectivos pacotes precisam ser baixados um por um dos da pasta “current” nos repositórios do Slackware e instalados, igualmente um por um, com o comando upgradepkg do pkgtool. Para quem faz questão de um Slackware totalmente current, a opção mais eficaz é baixar e instalar o Swaret, um instalador gráfico que faz esses upgrades automaticamente.

Possui seu próprio gerenciador de pacotes, o pkgtool (installpkg, upgradepkg, removekpg, explodepkg, makepkg), sem gerenciamento de dependências (existem programas que adicionam esse gerenciamento, como o slapt-get e swaret). O formato dos pacotes .tgz é bastante simples, similar a um .tar.gz contendo apenas os arquivos a serem instalados em suas respectivas pastas em relação à raiz do sistema, além de um script com comandos complementares para a instalação.

O Slackware Linux é um Sistema Operacional livre, ou seja, está disponível na Internet e todos têm acesso ao código-fonte, podendo então melhorá-lo ou adaptá-lo às próprias necessidades.

A versão atual da distribuição é o Slackware 12.0. disponibilizado em 2 de julho de 2007. É a primeira versão a vir com kernel 2.6 é a que mostra mais inovações e mudanças em relação com as anteriores, Alem do kernel 2.6.21.5, que na época do lançamento era o mais atual já mostrando uma mudanças na concepção do slackware que não costuma ultilizar o último release do kernel, ela conta com três inovações que resultaram em muita polemica que é o HAL, a glibc 2.5 e o GCC 4.1.2, a primeira é uma camada de abstração de hardware que fornece auto-mount para o sistema indo contra a filosofia original do sistema, mas inserido por causa da dependência do KDE pelo mesmo e a segunda são as bibliotecas de C do projeto GNU essa era a versão mais recente da mesma no lançamento da distribuição e foi muito contestada a sua utilização por ser um pacote crucial para o sistema e por ser muito novo ser sucetivel a instabilidade, já o GCC 4.1.2 gerou polemica devido a falta de compatibilidade de codigos antigos com os compiladores da nova serie do GCC indo novamente de encontro a filosofia slackware que busca estabilidade.

O Slackware 12.0 possui a GCC 4.1.2, o kernel Linux 2.6.21.5, KDE 3.5.7, Xfce 4.4.1, Xorg 7.2.0 e a suíte SeaMonkey 1.1.2 que substitui a suíte Mozilla e Firefox 2, além de todos os utilitários habituais. Por falar no kernel, Essa versão não é capaz de fazer boot pelo disquete e vem apenas com a versão 2.6.21.5 no CD em 4 modos generic-2.6.21.5 (generico contendo os hardwares mais comuns dentro do kernel e o resto modularizado), generic-2.6.21.5-smp (mesmo que anterior com suporte a multiprocessamento / HT), huge-2.6.21.5 (kernel que contem praticamente tudo que existe de suporte a hardware embutido no kernel a custo de um peso imenso(huge) na hora do carregamento) e o huge-2.6.21.5-smp (mesmo que o anterior mas com suporte a multi-processamento).

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Slackware)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s